Protetora contra radiação
 

Depois de 150 anos de registros climáticos, constatamos que a precisão dos valores recolhidos do clima não é suficiente para que possa ser seguramente provado o aquecimento da Terra. As causas dos registros de temperatura incorretos por estações de medição instaladas perto do solo residem tanto na sensórica ou no local da estação meteorológica como na falta de uma proteção eficaz dos sensores de temperatura contra a radiação. Podemos afirmar que na Alemanha e em todo o mundo continuam existindo as mesmas causas para valores de temperatura incorretos.

Com a nova caixa protetora contra radiação (SE), pomos a disposição dos investigadores de clima um sistema que permite provar o aquecimento do clima da Terra. Com a SE, a "Anemometerbau GmbH Rostock", que desde 1875 fabrica produtos inovadores para a área da meteorologia, apresenta mais um produto de ponta através do qual podemos impedir que raios atmosféricos interfiram no funcionamento dos sensores de temperatura de estações meteorológicas localizadas perto do solo.

A SE consiste em vários perfis estruturados que, em termos circulatórios, estão totalmente separados entre si. Um sistema de canalização, com blindagem e câmara protetora contra radiação exclui a penetração dos raios na câmara de medição e a colisão entre o ar em movimento e os elementos de proteção. O sistema de canalização tem uma barreira térmica horizontal e vertical para com os elementos de proteção. O posicionamento da proteção contra radiação garante que por três lados (de cima, lateralmente e de baixo) os raios não podem afetar os sensores existentes na câmara de medição. Os dois perfis externos apresentam um sistema de ventilação passivo através do efeito de tiragem natural. A própria câmara de medição tem uma ventilação ativa por uma corrente secundária forçada. Um sistema de comando com sensor de fluxo, na câmara de medição, controla a velocidade de circulação do gás, por meio do motor do ventilador. Uma unidade monocanal registra os dados fornecidos pelo sensor de temperatura de precisão, compara-os com a curva característica, armazena os valores numa memória interna e envia-os à unidade central. Desta forma, será possível provar o aquecimento do clima por meio de estações meteorológicas instaladas perto do solo após a exclusão da influência pela radiação existente, suscetível de adulterar os valores medidos.

Para a utilização em regiões subtropicais e tropicais, desertos, serras altas e nas regiões polares, as caixas protetoras contra radiação deverão ser submetidas a uma adaptação.
Com o desenvolvimento do encapsulamento contra radiações (SH) foram estabelecidas as condições para determinar com elevada precisão a subida da temperatura global na terra através de estações climatológicas instaladas na proximidade da superfície do solo.

Os resultados de medição da empresa Anemometerbau GmbH e de uma entidade científica confirmaram e superaram as expetativas.

Na base deste resultado, conseguimos criar um registrador de dados que permite a conexão de vários sensores.
Com vista a garantir a precisão de medição e estabilidade a longo prazo dos sensores, estes podem ser várias vezes calibrados durante um ciclo de medição.
Com cada medição, os resultados registrados pelos sensores são comparados com a curva teórica da subida de temperatura e corrigidos na faixa de 1∙10-3°C. Mede-se, atualmente, a temperatura na área meteorológica por um sensor percorrido por corrente elétrica e, por conseguinte, levemente aquecido.
Recentes desenvolvimentos inovadores permitem reduzir muito o tempo em que os sensores recebem energia elétrica e diminuir o autoaquecimento do sensor pelo processo de medição até tal ponto que pode ser ignorado.
Desta forma são possíveis precisão de medição de 1∙10-3°C.
Os resultados de medição são indicados e armazenados em 1∙10-2°C.
Os intervalos de medição e os tempos podem ser livremente programados.
Os dados recolhidos pelo registrador podem ser lidos diretamente ou pelo registrador central da estação climatológica.

Com a estrutura descrita, o seu Serviço Meteorológico seria a primeira associação da OMM que pode comprovar o aquecimento climático não só por estações instaladas na proximidade da superfície do solo, mas também por meio de sensores no solo.